(51) 3222-5577
slide1
Institucional
Associe-se
Produtos
Centro de Eventos
Informativo SincoPeças
Notícias
Eventos
Convenções
Emissão de Guias
Guia de Negócios
Banco de Currículos
Localização
Sincopeças Brasil
Contato
 
 Cadastre-se
Receba as novidades do Sincopeças e do segmento
de autopeças, fazendo
seu cadastro aqui

Notícias

Modo de dirigir, limite de carga e óleo lubrificante podem interferir na vida útil do diferencial
24 de Janeiro de 2013

O diferencial ou eixo traseiro, como é mais conhecido no mercado, é indispensável em veículos de tração. “O diferencial tem a função de distribuir uniformemente o torque aos semi-eixos que fazem mover as rodas traseiras, independentemente das suas velocidades de rotação. Quando se entra numa curva à direita, por exemplo, a roda interna vira um pouco menos que a externa. O papel do eixo traseiro é compensar essa diferença de rotação entre as duas rodas”, explica Jair Silva, supervisor serviços da Spicer, marca da Affinia Automotiva, que fabrica peças de transmissão.

O componente, segundo Silva, também faz parte da harmonização entre força e velocidade do veículo. “Num veículo estradeiro se prioriza a velocidade, então é utilizado uma relação mais longa (resultado da divisão do número de dentes da coroa pelo número de dentes do pinhão). O mesmo modelo operando fora de estrada, um canavieiro, por exemplo, a prioridade é a força, pois ele vai exercê-la mais a que a velocidade é então utilizado uma relação mais curta”, comenta.

Para preservar a vida útil do conjunto do diferencial, o supervisor de serviços da Spicer recomenda alguns cuidados. “Embora pareça um componente robusto, o diferencial requer manutenção como outro conjunto qualquer, por isso, é preciso evitar tranco e arrancada muito forte para tirar o veículo da inércia. Isso pode trazer danos ao conjunto”, ressalta. Outra situação que pode danificar o diferencial é a patinação prolongada, principalmente, se o veículo estiver atolado com uma roda em desnível da outra.

O limite de carga, recomendado pela montadora, também deve ser respeitado. “Às vezes, o carreteiro transporta mais peso do que o veículo pode suportar, comprometendo diversas peças. Uma delas é o diferencial que se desgasta rapidamente e acaba tendo sua vida útil reduzida”, adverte.

Outro item importante para garantir a longevidade da peça é o óleo. “Ao realizar a troca do lubrificante é necessário ficar atento à especificação indicada pela montadora”. Caminhões até 9 toneladas pode ter o diferencial blocante, que requer óleo especial com um aditivo para evitar o travamento dos discos”, esclarece Silva.

Ele faz uma ressalva: “Se usar o óleo lubrificante de um diferencial convencional num blocante, em poucos dias, os discos apresentarão desgaste muito grande, com risco para todo o conjunto do diferencial”.

São cuidados simples, mas, que, de acordo com o supervisor de serviços, podem elevar a vida útil do componente. “Hoje, há veículos que excedem 1 milhão de quilômetros rodados sem grande manutenção no diferencial”, diz.  



+ notícias

Envie por E-mail

Dados Para Envio:
*
*
*
*
*

Downloads de Palestras



Informativo

Clique aqui e
acesse as edições anteriores



Feriados
Municipais

 

Banco de CurrículosCompra e VendaGaleria de Fotos
Links Rápidos
Correios
Cotação de Veículos
Detran RS
Diário Oficial do Estado
Diário Oficial da União
Fecomércio-RS
Governo do Estado RS
Junta Comercial do RS
Ministério do Trabalho
Ministério dos Tranportes
Prefeitura de Porto Alegre
Previdência Social
Receita Federal
Rotas Turísticas RS
Sebrae - RS
Secretaria da Fazenda RS
Serasa
Tribunal de Justiça do RS
Avenida Paraná, 2.435 | São Geraldo | 90240-602 | Porto Alegre/RS | Tel: (51) 3346-5644 / 3346-7012 | Fax: (51) 3222-5456