(51) 3222-5577
slide1
slide2
slide3
Institucional
Associe-se
Produtos
Centro de Eventos
Informativo SincoPeças
Notícias
Eventos
Convenções
Emissão de Guias
Guia de Negócios
Banco de Currículos
Localização
Sincopeças Brasil
Contato
 
 Cadastre-se
Receba as novidades do Sincopeças e do segmento
de autopeças, fazendo
seu cadastro aqui

Notícias

Sincopeças-RS promove encontro sobre restituição da diferença do ICMS pago a mais no regime de substituição tributária
26 de Janeiro de 2017

Em outubro do ano passado, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) revisaram a posição da corte com a decisão de que é devida a restituição da diferença do ICMS pago a mais no regime de substituição tributária para a frente, se a base de cálculo efetiva da operação for inferior à presumida”. Para esclarecer sobre o tema, o Sincopeças-RS realizou um encontro com empresários do setor na noite de ontem, 25 de janeiro, na sede do Sindicato, em Porto Alegre.

O doutor em Direito, professor e membro do Instituto de Estudos Tributários, Adão Sergio do Nascimento Cassiano, e o bacharel em Ciências Contábeis, conselheiro de assuntos tributários da Fecomércio-RS e a autor de livros sobre a legislação do ICMS, Feliciano Almeida Neto, falaram sobre as possibilidades de restituição para o varejo ou distribuidores que vendem para consumidores finais.

De acordo com a decisão, a venda realizada por um preço menor do que o presumido gera direito à devolução do imposto sobre a diferença. Introduzido na Constituição Federal em 1993, o parágrafo 7º do artigo 150, determina que, caso não se realizasse o fato gerador presumido, deverá ocorrer a imediata e preferencial restituição da quantia paga.

Cassiano ressaltou que os efeitos da decisão do STF foram modulados. “Isso quer dizer que os efeitos são para o futuro, não para o passado. Existem ações individuais que foram ajuizadas antes do julgamento e, estas, deverão ter seus pleitos atendidos, se ainda não julgadas. Daqui para frente, os contribuintes poderão requerer a restituição”, explicou.

Feliciano recomendou que os empresários façam um levantamento preliminar antes de realizar a ação para verificar sobre o direito real à restituição. “As provas devem estar consolidadas em arquivos”, aconselhou, ao comentar sobre a importância de simular a possibilidade de obter esses créditos e verificar o que será feito com isso, caso seja conquistado. O especialista falou que há outras hipóteses de restituição e que os créditos normalmente se dão por compensação. 


Empresários do setor de autopeças reuniram-se para esclarecer dúvidas sobre a restituição da diferença do ICMS pago a mais no regime de substituição tributária.
Fechar Próxima Anterior

Empresários do setor de autopeças reuniram-se para esclarecer dúvidas sobre a restituição da diferença do ICMS pago a mais no regime de substituição tributária.


+ notícias

Envie por E-mail

Dados Para Envio:
*
*
*
*
*

Downloads de Palestras



Informativo

Clique aqui e
acesse as edições anteriores



Feriados
Municipais

 

Banco de CurrículosCompra e VendaGaleria de Fotos
Links Rápidos
Correios
Cotação de Veículos
Detran RS
Diário Oficial do Estado
Diário Oficial da União
Fecomércio-RS
Governo do Estado RS
Junta Comercial do RS
Ministério do Trabalho
Ministério dos Tranportes
Prefeitura de Porto Alegre
Previdência Social
Receita Federal
Rotas Turísticas RS
Sebrae - RS
Secretaria da Fazenda RS
Serasa
Tribunal de Justiça do RS
Avenida Paraná, 2.435 | São Geraldo | 90240-602 | Porto Alegre/RS | Tel: (51) 3346-5644 / 3346-7012 | Fax: (51) 3222-5456